Convenção Batista Brasileira

Casa Afundando na areia da apostasia:

Parte 3: Mundanismo






Todos os itens abaixos são baseados em fatos reais:

1. Tolerância com membros que pertencem a Maçonaria

Numa determinada igreja da CBB foi anunciado um estudo na união de treinamento sobre o tema Maçonaria. Esse estudo demonstrou muito interesse em virtude dessa igreja possuir membros Maçons. Ao final do estudo foi perguntado ao palestrante se uma igreja batista deveria excluir membros que insistiam em pertencer a essa organização secreta, demoníaca e ecumênica que é a Maçonaria. A resposta foi que não se deveria fazer isso, pois era uma questão pessoal e que, apesar de não ser correto um crente participar da maçonaria, as igrejas não deveriam excluí-los. Tal recusa em disciplinar os rebeldes que se unem a essa organização demoníaca, só revela atitude omissa e complacente dos líderes que rejeitam teimosamente a Doutrina da Separação Bíblica (assunto covenientemente omitido na CBB) em prol de ganhos sociais, financeiros ou outros, atraindo as maldições de Deus. Talvez, um dos motivos diversos da decadência da Convenção do Sul dos Estados Unidos, seja o fato que 14% do total de pastores e 18 % do total de diáconos dessa Convenção sejam Maçons! No Brasil, não se tem esse dado disponível com facilidade. Segundo a mesma fonte (Calvary Contender Junho 1993), 1,3 milhões de Batistas dos USA (pasmem) pertencem a essa organização diabólica que é a Maçonaria.

Veja o que o General Albert Pike, líder máximo da Maçonaria declarou:

"Sim, Lúcifer é Deus."

Quando eles estão orando na Loja, o "deus" a que se referem é o próprio Lúcifer!

2. Tolerância moral.

Em certo colégio Batista da CBB um professor aconselhava os alunos a como se comportar com suas namoradas no carnaval...

Certo pastor da CBB comentou abertamente: "Deus não está interessado com a virgindade..."

A questão dos padrões morais dos pastores da CBB está cada vez mais frouxa. Certo pastor da CBB, muito prestigiado nacionalmente e já falecido, comentou que fora definitivamente contra Pastores divorciados numa determinada associação nacional da CBB, porém, comentou com tristeza, foi voto vencido. ... Se do púlpito vem o péssimo exemplo do fracasso conjugal, não se pode esperar melhor da membresia.

De fato, há alguns anos atrás, até mesmo um líder máximo da CBB fracassou nessa área e teve que pedir demissão da presidência da Convenção, fato covenientemente explicado pelo O Jornal Batista com o toque do "politicamente correto" explicando que fora por "motivos pessoais".

Poderia se falar da tolerância com o uso do álcool, tolerância com vestes indecentes, etc... Essas tendências são por demais evidentes, é só dar uma circulada pelas igrejas da CBB e tirar as conclusões. Tudo isso por conta também dos liberais que se formam nos seminários da CBB e só pensam em igrejas lotadas a qualquer custo.

3. Tolerância com música mundana.

Jovens de uma igreja da CBB têm como hábito irem a casas de shows para dançarem músicas que dizem ser "gospel"... Ninguém disciplina. De outra feita, numa festa "cristã" houve até conjuntos de rock e estilos mundanos como música de fundo. Ninguém se importou.

Numa determinada matéria publicada pela mídia, foi anunciado que uma casa noturna gospel foi aberta no Rio de Janeiro. Detalhe: um dos sócios da casa, é um líder de jovens de uma igreja batista há sete anos e seminarista. Ele disse numa entrevista que “o jovem evangélico vai à praia, gosta de paquerar, vai ao cinema como qualquer outro..." Os sócios afirmaram que nessa Gospel House, o entretenimento fica por conta de apresentações de bandas e cantores evangélicos e um salão de jogos, com mesas de sinuca e pebolim..."

Vejamos mais esse resumo sobre isso:

Pastor evangélico em "No Limite" é seminarista e consultor de vendas. Ministro de jovens de uma igreja Batista no Rio de Janeiro, o evangelista tem se notabilizado por suas iniciativas inovadoras como a organização de um trio elétrico com cantores evangélicos, a abertura de uma casa de shows e eventos gospel, entre outras maluquices. Já gravou até um disco próprio. E agora, se depara com uma oportunidade inusitada: participar do programa ímpio e anti-cristão "No Limite" da imoral Rede Globo de Televisão, uma das maiores corruptoras dos valores familiares do Brasil.

4. Tolerância com filmes mundanos.

Não é incomum, para os membros da CBB apoiarem, (ao freqüentar cinemas ) a indústria cinematográfica corrupta. Até mesmo num Colégio Batista, que funciona dentro de uma igreja da CBB, alunos do primeiro grau foram obrigados a asistir como parte da exigência de certa aula, o filme "Central do Brasil" cheio de diálogos obcenos e palavras de baixo calão! Quando os pais colocam seus filhos numa escola cristã, se supõe que eles fazem isso para protegê-los da influência corrupta e depravada das escolas públicas (que distribuem "camisinhas" a meninas de 15 anos), mas o desastre é que até mesmo dentro de escolas supostamente "cristãs" esses professores desalmados expõem os adolescentes ao que de pior existe no mundo.

5. Tolerância com danças.

Vejamos o convite tirado de uma fonte oficial da Convenção Batista Brasileira: " ...convida os amados para conosco participar do "Sábado Livre", que acontece sempre no terceiro sábado. Nessa noite teremos: Teatro, Dança, Adoração..."

Numa capital do Nordeste que possui uma igreja da CBB com centenas de membros, os jovens são conhecido por promoverem reuniões em barzinhos (regadas a álcool é claro) e danceterias. Isso tem se tornado um fato cada vez mais comum que faria corar de vergonha os pioneiros de apenas poucas décadas atrás. Este tipo de mundanismo está se espalhando como fogo (e talvez seja a causa de) em igrejas super-lotadas, que enchem de orgulho pastores ecumênicos e arrogantes que desprezam pequenas congregações. Isso se repete em muitos exemplos. Veja, por exemplo o que aconteceu numa das mais respeitadas igrejas Batistas dos Estados Unidos que se gabava ser a maior igreja batista do mundo há alguns anos. Essa igreja, a 1ª Igreja Batista de Dallas, Texas, liderada durante anos por um brilhante pregador já falecido chamado W.A. Criswell, promoveu em 2002, uma celebração de posse do novo Pastor dos Jovens onde "os jovens dançaram animados pela noite afora" (Dallas Morning News, citado pelo Baptist Bible Trumpet). Note que está se falando de uma igreja reconhecida por ser uma das mais conservadoras. Imagine-se o resto...



Talvez seja por isso que muitos líderes máximos da super-denominação chamada Convenção Batista Brasileira despreze com tanta violência e rancor, o Movimento Fundamentalista, que clama por:

1. Santidade de vida.

2. Separação eclesiástica.

3. Separação do erro doutrinário.

4. Repúdio a Bíblias falsas.

5. Repúdio a erudição ímpia e arrogante dos Nicolaítas.



Como essas posições são extremamente impopulares e são uma ameaça ao crescimento explosivo de Rick Warren, o guru herético da "Igreja com Propósito" (Mundano), ou eqüilíbrio numérico de membros, as metas financeiras seriam extremamente abaladas, daí a campanha sistemática contra o Fundamentalismo. Esse desprezo e distorção dos fatos sobre o Movimento Fundamentalista, é a única arma que os liberais possuem para combater os que ousam denunciar o fato incontestável que é a decadência desastrosa da Convenção!



"Não havendo profecia, o povo perece..." (Pv. 29:18)




Ensinos Anti-Bíblicos